quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Sobre Liberdade

Eu tava pensando, aqui comigo.
No que esse projeto mais me ajuda?

Caramba, não podia falar disso e não lembrar do quanto eu mudei, e do quanto eu estou mudando aqui. Pensar que eu cheguei aqui sendo o menino quieto que mal levantava a voz e hoje eu saio gritando (às vezes, por que limites né) no hospital.

Risos.

Sem falar que...
Me lembro a vez que eu percebi mais isso, quando eu tava numa reunião burocrática de outro projeto.

Eu estava  discutindo assuntos importantes (coisas chatas). Todo mundo sentado, a presidente do lado da lousa, anotando. Aí que eu me levanto, começo a falar.
E quando dou por mim, a galera desse outro projeto estava me olhando, com um riso preso no canto de boca. Daqueles que ninguém tem muita certeza se podia rir ou não, mas que vinha sem querer.
Acontece que eu falava sobre uns temas de palestras, e comecei a fazer mungango. Comecei a frescar com o corpo, involuntariamente.

Não foi um espírito que baixou em mim - sim, eu sei (acho) que não fui possuído - e de repente eu tava lá. Tão pouco preocupado com isso que deixei o palhaço escapar de mim, sem querer.
Esses meus mungangos vazavam pelas pontas dos meus dedos, meus olhos e minha boca. Esses mungangos todos viviam nos meus braços agindo com vida própria.

Foi aí que eu descobri o nome do meu palhaço. Ele sou eu e eu sou ele, mas ele é alguma coisa dentro de mim, que escapa nas pequenas coisas. E deixar o Dr. Mungango sair é libertador.
Mas ainda assim, aprender a conversar com meus mungangos não foi a melhor coisa que aprendi (até agora) no Projeto Y.

Acontece que por aqui eu aprendi a chorar.

Sim.
Quando teus olhos ficam vazando depois do filme triste em que o cachorrinho morre. Ou quando você mesmo tá triste.

Isso faz parte, sabe?
Não sou menos homem por que choro. E uma mulher também não é mais mulher por que chora.
Não dá nem pra dizer que o que você tem no meio das pernas define o que você é, quanto mais um ato tão... Humano.

Chorar faz parte.
Acontece nas melhores famílias de Londres.

Se tu enxerga um problema nisso, com todo o respeito: vá para a pu** que te pariu. (Asteriscos por que isso é um blog de família às vezes).
Quer dizer... Perdão. Escapuliu.
Mas na real, eu espero que tu possa se encontrar também. Tão libertador quanto deixar teus mungangos saírem de ti, é deixar teus sentimentos escaparem pelos olhos.

Chorei tanto escrevendo meu currículo pra Seleção do Y. Chorei na entrevista da segunda fase. (Não chorei quando passei, não sou obrigado - mais risos.) Chorei na primeira Reunião de Planejamento. Chorei hoje. Quase sempre por motivos diferentes. E sinceramente, espero que eu ainda saiba chorar em muitos outros momentos da minha vida.

Porque isso é liberdade. É saber ser quem tu é, é deixar teus trejeitos viverem, deixar tua esquisitice à mostra, deixar teus sentimentos respirarem do lado de fora.

E uma coisa eu te garanto:
Aprender a se libertar é gratificante pra ca*****.
Então pensa nisso na próxima vez que tu for enxugar os olhos marejados.

Abraça a tua liberdade com todas as forças.

- Dr. Mungango,
menos conhecido como Arthur.

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Aula 6 - aproximações filosóficas



Vamos combinar que a aulinha sobre aproximações filosóficas não apenas ficou a maior, como também ficou a mais complexa. Eu acho. Até porque você precisa ter certa afinidade com os temas e autores filosóficos para se interessar a assistir até o final. 

Vou tentar facilitar aqui. Vamos dividir cada explicação em 3 etapas.

1. Por que eu escolhi o filósofo ou momento de pensamento em questão?
2. O que ele traz para a reflexão do Y?
3. Qual a deixa para ir para o próximo filósofo?

Vamos começar:

1. Platão

Por quê?

É o pai da filosofia ocidental. Dizem que foi Sócrates. Mas, foi Platão que "lançou" Sócrates no gosto do público. 

O que ele traz?

Não encontrei boas coisas dele para o Y. Ele não gostava de comédia. O lance dele era preparar a alma para reencontrar o mundo do inteligível puro e esses negócios de arte, pior ainda, comédia só iludiam as pessoas. 

Deixa

O discípulo dissidente dele era Aristóteles. Também outro fundador do nosso pensamento ocidental. Será se ele teria alguma coisa a acrescentar?

2.  Aristóteles

Por quê?

Se Platão não era nosso amigo quem sabe seu amigo que virou ideologicamente inimigo pudesse ser nossa amigo? 


O que ele traz?

Aristóteles encarna a reflexão filosófica. Torna ela palpável. Tenta fazer com que o mundo do sensível não seja um obstáculo para o filósofo, mas sim, seu ponto de partido primeiro e fiel. A comédia para ele era um meio plausível de tornar o ridículo inteligível. Ela nos dava como que a tipologia da feiúra, do grotesco, do tosco.

Deixa

Finda a antiguidade clássica em que se transforma a reflexão do riso?


3. Idade Média

Por quê?

É um período de 1500 anos que não podemos ignorar. Não foi, de forma alguma, a Idade das Trevas. Muita coisa boa se pensou aí. Muito do que nós somos tem raízes nesse período. As cortes e seus bobos. Os teatros de rua e os carnavais. 


O que ela traz?

A disputa entre a laetitia temporalis (alegria secular, profana, fugaz) e o gaudium espirituale (a verdadeira felicidade, plena, do contato com Deus). Estas duas categorias vão ser muito fecundas para se entender o fenômeno do doutor palhaço. 


Deixa

Isso não me mostra claramente o que a Idade Média teve de bom para este tema. O que mostraria?


4. Francisco de Assis

Por quê?

Sua exceção em meio à Idade Média traz a figura do bobo de Deus, que reconcilia a visão do sagrado (tida com séria a todo custo) ao feminino, ao infantil e, portanto, à alegria. Ele é o grande amigo de Clara, uma das primeiras ordens que traz a mulher para dentro da vida monástica. Ele é um monge que não se isola, mas se mistura com o povo, no seu exercício de mendicância. E, finalmente, ele foi o criador do presépio, a forma que temos de adorar ao Deus-menino. 

O que ele traz?

Bobo, alegria, mistura-se com o povo, Deus-menino...


Deixa

Eu falei em carnaval. Houve um pensador que explorou esse aspecto particular da Idade Média.


5. Mikhail Bakhtin

Por quê?

Todas as pessoas entendidas do assunto disseram que se falasse em palhaço e Idade Média e não falasse de Bakhtin não tinha falado nada. 


O que ele traz?

Estuda a categoria de carnavalização que em certa medida ele quis dar força demais para ela, quando, dizem os críticos, não cabia. Mas, cabia perfeitamente para o Y. Vou fazer um quote da minha dissertação, tá?

O Carnaval, dessa forma, é um espaço público de convivência em que a vida é retirada de seus trilhos habituais e como que virada ao avesso. As leis, as proibições e as limitações que imperam fora desse espaço-tempo dão lugar a novas formas de relação afastadas da hierarquização tradicional. As "mésalliances" podem ser entendidas como alianças espúrias que, em outras circunstâncias, seriam inconciliáveis: o sublime e o grotesco, o grandioso e o medíocre, o sábio e o tolo, etc. A invasão de uma ordem pela outra, do alto e do baixo, colore o tema da profanação.

Não é isso que acontece na enfermaria com um bobo usando um jaleco de palhaço?


Deixa

Por falar em carnaval, festa, pessoas misturadas...


6. J. J. Rousseau

Por quê?

Não é que eu descobri uma carta que Rousseau trocou com D'Alembert comparando a festa com a democracia, contra o teatro que estava mais para despotismo?

O que ele traz?

Ora, os doutores-palhaços provocam festa por onde passam. Os muros que separam as pessoas se desmoronam, um ar de liberdade sobe a saia das meninas, provoca o atrito dos furibundos, o sorriso peralta dos moleques. Segundo Rousseau isso seria um clima ótimo para uma democracia. 


Deixa

Vishi! Meteu a palhaçaria na política, falou em destronar reis, provocar encontros politicamente fecundos, não vai poder escapar do Boal. 


7. Augusto Boal

Por quê?

Um dos maiores teatrólogos que o Brasil teve. Versava exatamente sobre teatro e política. Entrou no mérito do coringa/curinga que é um palhaço gerador de liberdade no palco. 

O que ele traz?

A noção de que o teatro pode ser um instrumento de transformação da realidade para melhor, através do questionamento do naturalizado, da permissão de viver novas possibilidades em uma cena dada, tudo isso tendo o curinga (um tipo de palhaço) como ponte. 


Deixa

Muito bem, mas eu estou, talvez, perdendo o foco. Não era para se falar sobre o espírito do doutor palhaço. Quem poderia falar de riso e espírito em uma só tacada?


8. Henri Bergson

Por quê?

Uma das filosofias que mais influenciou o mundo entreguerras na França. Tida como neo-espiritualista. De outro modo, ninguém hoje fala em riso sem citar a obra de Bergson: "O Riso, ensaio sobre a significação do cômico". 


O que ele traz?

Aparentemente ele traz algo contra nós. Porque ele fala que o mundo do espírito é um mundo de liberdade, criação, impulso vital. O da matéria é um de rigidez, contração, perda de energia. O riso seria o movimento da matéria que tenta imitar o espírito, o que sai algo tosco, merecedor de riso como punição de quem vê aquilo. 

Porém, a despeito de Bergson, encontrei, na filosofia de Bergson, um argumento a favor do riso. O ator cômico - Bergson não tinha como saber disso porque não era piadista - precisa estar aberto a criatividade o tempo inteiro para antecipar a plateia e criar (!) o riso. No fundo, o ator cômico, particularmente o palhaço que vive fora do roteiro tem que estar repleto de impulso vital para se sair bem. 

Bergson me dá a deixa que eu precisava para pensar este assunto: a graça, que é a comunicação da característica do espírito à matéria, diz o filósofo, se degenera em múltiplas decadências até o grotesco, que é uma forma rígida, de esgares. Ora, uma consciência infeliz enxergaria nisso um contra-ponto. Eu enxerguei outra questão: a graça (gaudium espirituale) e o grotesco (laetitia temporalis) são parentes. 




 

 

sábado, 23 de dezembro de 2017

Aula 5 - Caderno e Mandamentos de palhaços



Feito palhaço é preciso saber quando a singularidade surge no ambiente, no parceiro, na platéia, e não deixar escapar. 

Somos acostumados a uma ciência de padrões. Na medicina, é preciso encaixar a fala desta ou daquela pessoa (duas trajetórias astrais completamente diferentes) em alguma síndrome que as torne visível, e iguais. Os padrões aniquilam a singularidade. Deixam a vida mais redonda, menos arestosa, e menos real. 

O capítulo 5 traz singularidades. A primeira é o caderno do integrante Beto que foi partejado enquanto doía a redescoberta de seu palhaço. A segunda foi um punhado de mandamentos, conselhos, dicas, carinhos para as gerações que perpetuassem o Y. 

Por que colocar estes dois processos? O que têm de especial?

Alguns de vocês já conseguem responder. Aos que não conseguirem, eis meus motivos:

- São eles que se revelam, tanto mais na dor, ainda mais no cuidado para com as gerações que abraçarem a causa, que dirá na saudade. Dor, causa e saudade. A dor, que é o aperto presente do que acabou de passar. A causa, que é o aperto presente do que deve perdurar. A saudade, que é o aperto presente do que dura. O quarto elemento que, de cima, integra tudo no mesmo peito: Y. 


Aula 4 - No meio do caminho... um Y



Falamos muito dentro do Y acerca do significado místico do três, e como ele casou perfeitamente conosco. 

À época do Orkut criamos até um tópico de discussão para alimentarmos tudo o que se mostrava como três: as trindades, as tríades, as trilogias de toda ordem. 

Contudo, momento revelador, se o três é o símbolo da estabilidade fundamental, pois é de três pontos que se define qualquer plano, o quatro é a perfeição que o transcende. O quatro é o ponto que desloca o observador do plano do três para olhar além. 

Não havia pensado nisso à época da dissertação, mas, de novo, a mística se faz presente nos caminhos do Y. O quarto capítulo é aquele em que me desloco do plano em que estávamos para olhá-los de cima. 

Um dos símbolos da maçonaria é o olho que tudo vê. Este olho está no topo de uma pirâmide. O vértice que aponta a transcendência em relação ao plano da terra, sem, todavia, se desconectar dela. 

Logo ao início do capítulo, é preciso que eu lhe conduza por uma imagem: a do caminho do Y. Aqui temos pelo menos quatro significados nele incrustado: 


  1. é o caminho que cada indivíduo percorre entre a salinha de figurinização e a enfermaria; 
  2. é o caminho que cada indivíduo percorre entre a laicidade e o profissionalismo;
  3. é o caminho que cada indivíduo percorre entre a infância e a velhice;
  4. é o caminho que o espírito percorre entre a simplicidade de um eu ingênuo e a unidade de um eu pleno. 


É verdade! Essa leitura não é só possível como é desejável. Veja, por exemplo, que quando falo sobre as amarras que as pessoas disseram existir em suas vidas, saímos das história individuais e chegamos até a teoria do poder onipresente defendido por Foucault. Quando falamos sobre a criança, tem-se aquela que somos, a que buscamos fazer sorrir, as que Korczak decidiu acalmar em uma câmara de gás nazista, voltando, então, para a enfermaria onde o projeto atua, com a descrição de crianças que despertam o divino em nós.

Logo no começo há a fala de Am, outro exemplo, que queria apenas confessar o amor pela família, mas trouxe reflexões sobre amor, liberdade, tradição, aceitação, serenidade. 

Mas, não nos percamos na viagem. Feito a história de Sendak, "Onde vivem os monstros", com a qual dialogamos também, por mais que tenhamos percorrido mares para além de nossa ilha, vendo o quão vasto era o mundo, sempre era imperioso voltar para o nosso lugar onde deveria estar esperando um leite quentinho no colo da mãe. O sempre e terno retorno para a salinha onde retirávamos as máscaras era um treino ininterrupto para o dia em que não mais precisaríamos tirá-la, por ela não mais existir. 

- O que você levou do Y?
- Levei ele comigo. E você?
- Não levei nada, decidi ficar. 

Não levar nada, decidir ficar. Quando não mais se leva, quando se fica, é que se está onde se deveria estar. Analise isso nas quatro perspectivas, e seja feliz. 




sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Aula 3 - Caminho teórico-metodológico ou a confusão de saber





Depois de longo e tenebroso inverno, em que me afastei da tentativa de explicar este mestrado, devolvo-me para a empreitada com outro motivo mais meu que do projeto Y: terminar um ciclo. 

O capítulo 3 quer falar sobre alguma teoria que referende as atitudes que, necessariamente, tive de tomar para deixar conhecido o Y. E fala também sobre os passos que tomei para registrar os saberes.

Precisamos entender que capturar uma essência de algo tão móvel e ígneo como é este projeto é uma tarefa impossível. A essência se esvai feito água do mar nas mãos de um menino. Mas, alguma fotografia haveria de tirar, ou melhor, algum quadro haveríamos de pintar, juntos, buscando não arrancar orelhas para caber no belo.

Para compor o cenário, fui em busca de um ou dois representantes de cada geração, aquelas que se sucedem quando vêm as seleções. Pessoas que ainda estavam presentes predominaram no encontro grupal. Outras que considerei centrais de épocas idas fui entrevistá-las a parte, a fim de não perder suas falas. 

O encontro em grupo iniciou-se com um aquecimento: que eles desenhassem o que viesse em mente sobre o mote "o caminho que percorri até o Y". Alguns entenderam "o caminho que é o Y", e respeitei essa confusão rica em significado. Os desenhos finalizam a dissertação. Alguma análise deles teço ao quarto capítulo, e talvez mais adiante. 

Reunir as pessoas para que falem do que vivem possui o mérito da instigação que um exerce sobre o outro, porém faz as vezes de calar o mais tímido. Há falas que surgem filhas do encontro, mas outras que são sufocadas pela luz da presença alheia. É um risco. 

As entrevistas individuais quase pareceram um café a dois. Fui revivendo a presença amiga, e lembrando junto com a pessoa o que ela viveu, o que testemunhei. Descobri algumas sombras que poderiam ter dado todo um novo trabalho. Mas tudo o que É não se torna ainda mais nítido com o seu contraste? Sim. Falei um pouco disso. 

Por fim, tomei a liberdade de passar para o papel minhas memórias. Ainda que mais ou menos distante, acompanhei o grupo por dez anos. As falas que caíam em minha rede interpretativa saíam trabalhadas com o esforço do meu distanciamento de pesquisa e coloridas com meu pertencimento. 

Boa parte do capítulo, como havia falado, tenta explicar porque cada atitude dessa é possível dentro de uma pesquisa que se quer científica. No vídeo que gravei, e que segue logo mais, deixei claro que o único paradigma possível que me permitiria construir algum saber sobre o Y, com tantos encontros de sujeitos igualmente dignos, seria aquele que me permitisse ser, apesar de pesquisador, ainda amigo, ainda amante. 

Um último critério que você deve buscar enxergar por todo o texto é a escolha pelo belo. Poderia ser pintura, trabalho com argila, dobraduras, mas a academia pede letras. Então, pelo menos que tenha um estilo doce, que busque o belo ao falar de todos eles. O belo foi necessário almejar em cada momento de manifestação do divino que eles me trouxeram. Lembrem da definição clássica da arte: é o inteligível feito belo. Tentei. 

O capítulo 4 mostrará o quadro que conseguimos pintar.

 

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Sobre Palhaços Tristes

Me deu uma vontade de soltar um palavrão, daqueles bem caprichados.
Daqueles que explodem pra fora da boca da gente, de um jeito que todo mundo ao redor chega se assusta. 'Eita! E ele fala palavrão assim também, é?'
Ora po***, falo. Falo sim, ué. Depende um bocadinho do contexto, mas sim.
Agora por que diabos é que eu tô com essa vontade tão forte, tão urgente e tão sedenta por um grito?

Deixa eu me explicar.
Sempre gostei muito de um filme em específico do Selton Mello. 'O Palhaço' (risos, de uma ironia beeeem irônica e redundante). O pior é que já gostava muito desse filme bem antes de sequer pensar que eu era Mungango, e que Mungango era eu. Devia estar na plenitude (mentira) do Ensino Médio quando assisti ele pela primeira vez. E por quê eu gostei tanto desse filme?

Por que ele mostrava um palhaço triste.

Sim, ca*****, um palhaço triste. Arrisco até dizer que um palhaço numa depressão bem lascada de ruim. Quando comecei a escrever poesia, até fiz uma girando muito em torno disso.

"Se ele é quem faz todo mundo se abrir,
Quem é que vai fazer o palhaço sorrir?"

Talvez algum dia até poste ela inteira por aqui.

Tá, mas e daí, Dr. Mungango? Tu tá com vontade de sair xingando a torto e a direito por conta de um palhaço triste?

Pu** que pariu, não! (Mas sim, um pouco.)

Tu já parou pra pensar nisso? Em quantos palhaços tristes tu já viu na vida?
Eu te dou uns minutinhos pra pensar.

...

Pronto?
Pois é. Até tem, num é? Vez por outra aparece aqueles palhaços que têm umas lágrimas  marcadas no rosto. Mas, eita! Um palhaço triste?
Sim. Triste. Muito triste, pouco triste, numa depressão fu**** de lascada ou só meio cabisbaixo por que a torrada dele caiu no chão com a manteiga virada pra baixo.
Mas isso parece tão estranho!
Como que um palhaço vai ser um palhaço bom assim?
Ele não devia ser um epítome de felicidade e alegria? (Sim, eu fui pesquisar no Google o que era epítome - símbolo de ~ ou alguma coisa nesse sentido)

Que me***, ó. Não é bem por aí não.
O palhaço é gente como a gente. O palhaço ri com besteira, o palhaço chora quando bate o mindinho na quina daquele móvel (e pode xingar mais do que menino-véi-amarelo-do-buchão quando descobre que palavrão existe).
Palhaço solta pum. E nem adianta frescar por que eu sei que tu solta pum também, pode mentir pra todo mundo, mas a mim tu não engana.
E palhaço fica triste. Às vezes só um pouco, mas às vezes o negócio é tão pesado que parece que é difícil de levantar da cama todo dia de manhã.

Pois é.

Complicado, né?

Pois me diz, quem foi que te disse que não existe palhaço triste? Quem diabos que botou na tua cabeça que palhaço tem que ser 100% feliz contente e saltitante, o tempo todo? Porque não é bem assim que as coisas funcionam no mundo real. E é por isso que eu gostei do filme do Selton Mello. Porque ele era cru. Ele mostrava o palhaço como ele era. Com ou sem uma maquiagem. Com ou sem uma máscara.

Deixa eu te fazer um pedido, agora. Pensa em todos esses exemplos que eu te falei com "palhaço". Pensa neles, e troca todos esses "palhaços" por "uma pessoa", ou "alguém", ou um "a gente".

Um "você".
Ou um "eu".

Às vezes dói, né?
Às vezes não dá nem vontade de levantar da cama de manhã.
Talvez tenha um motivo bem claro pra essa dor aparecer, ou talvez a gente precise pensar bem muito até entender o que tá acontecendo.

Mas isso faz parte. Acontece, ué.

Com. Todo. Mundo.

E não tem por quê fingir que isso não acontece. Não te por quê achar que um palhaço tem que estar 100%, 100% do tempo. Não tem por quê pensar que qualquer pessoa neste mundo tem que estar feliz o tempo todo.

Me diz quem foi que disse que tristeza não é normal? Quem disse que não pode chorar? Quem disse que pra 'render' na sociedade e ser um membro exemplar da espécie humana você precisa estar sempre feliz?

Pois olha só, deixa eu te contar um segredo:
Se alguém já te disse essas coisas aí, é mentira, viu.
Mas pense numa mentira deslavada.

Agora vai assistir 'Divertidamente'. Vai lá assistir 'O Palhaço'. Vai assistir o filme em que o cachorrinho morre no final e todo mundo parece que chora até não ter mais uma gota véia miserável de água no corpo.
Pode chorar, pode ficar triste. Pode sentir.

Pode sentir.

Ok?
Pode sentir. E aí, quando você estiver um pouco melhor, cê volta aqui.
Aí você pega e junta todo o ar que conseguir dentro dos teus pulmões, toma fôlego até não caber mais, e diz um palavrão com todo o gosto.
Entendeu? Pode dizer, sim. Hoje em dia até as crianças véia de onze anos fala mais palavrão do que a gente.
Pode tomar teu espaço reservado se for o caso, colocar um *bip* no áudio ou pôr um monte de asteriscos.
Eu entendo.

Aí quando cê voltar aqui, pode pensar noutro título pra esse texto. Eu deixo tua cabeça bem livre pra inventar outro, tá? Mas deixo uma recomendação, já de cara:

Sobre Pessoas Que Também Falam Palavrão.

Pode ficar triste. Pode falar palavrão. E aí, quando as coisas melhorarem, porque eu sei que vão, tu vai ver como é ficar feliz de verdade.

E pode ficar pu** da vida com essa besteira toda de se dizer que 'as pessoas não podem ficar tristes'.

Att.,
Dr. Mungango.

P.S.: Desculpa o textão. É que eu realmente tava bem pu** mesmo.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Problemas em mim

Olá, 

Raramente me apresento por aqui, embora quase sempre presente. Sou Allan Denizard, de alguma forma orientador artístico-filosófico do projeto. 

Decidi falar um pouco mais de mim porque estive recebendo feedback da capacitação que dou para quem está entrando. 

O que me chamou a atenção é a mesma experiência de muitos dos que iniciam essa vida de visitas como doutores palhaços ao hospital que assistimos. Há surpresa, descobrimento, amorosidade. Às vezes há desgosto, desânimo, incômodo. 

Disseram as moças e rapazes que minha capacitação é boa, mas não poderia contemplar toda a riqueza da realidade do contato com as crianças. E, isso é muito tranquilo para mim. Qual a concha que pode conter o mar?

O que me fez pensar mais sobre o que venho fazendo é o meu crescimento histórico em relação a cada nova geração que acompanho. 

Investigue este blog e verá que textos com meu rosto estão presentes desde 2007. Vivi as visitas por seis anos e depois fiquei vivendo os visitantes. Fui para outros palcos, dos quais o que mais me desafia é ser pailhaço de duas crianças cuja (i)lógica do riso são completamente diferentes. Não os visito, são meus filhos, moro com eles. Lá, ao Y, aprendíamos a brincar com a fugacidade do encontro. Como torná-lo potente ainda que fugaz. E brincadeira é coisa séria! Aqui evoluí para o aprendizado de não deixar o cotidiano da convivência, que é sério por natureza, corroer a brincadeira. Lá estavam doentes. A brincadeira era visitá-las. Aqui estão sadias, pelejo para que permaneçam. A brincadeira é para não as adoecer, para que não tenha de as visitar no hospital. 

Todos os anos tento passar para os novos Ypsilonianos tudo o que venho aprendendo. A reação é sempre a mesma: quem está chegando se encanta e quase não entende; quem já experimentou mais do projeto e está revisitando a oficina se espanta em entender bem mais tudo o que é a capacitação inicial, e que não muda muito em termos de corpo de brincadeiras. É como se abrissem portas do castelo da compreensão. Só que agora eles têm chaves. 

Do meu lado, toda capacitação é uma viagem nova. Cada uma delas me faz entrar em territórios inexplorados e sagrados. Tem que tirar as sandálias para entrar neles. São pessoas que se permitem sair do normal acadêmico para ficar brincando por quarenta horas quase ininterruptas. Às vezes me sinto Caronte, o velho barqueiro do Styx, conduzindo a pessoa para a própria sombra. Não é tão denso assim, mas é um experiência, por assim dizer, caudalosa. 

O que talvez eles não percebam - não tem como perceber - é que todo ano eu volto maior, mais largo, mais amplo. Vou estudando o palhaço e todo o teatro que ele evoca, vou buscando entender mais isso que um dia fiz, que agora faço de outro modo mais suado, por vezes, mais insone. Para ter uma ideia, fiz um mestrado só sobre isso. Mas, eles, que são o mesmo punhado de estudantes querendo se iniciar na palhaçaria, tem mais ou menos o mesmo tamanho para mim, que é o da dúvida e o de certa ignorância deste conhecimento que me pesa. E um pecado enorme cometo contra eles: quero que me acompanhem. 

Dessa forma, perco suas singularidades, fico cego para seus desvios de como podem viver o mesmo assunto por caminhos diversos. "Não sinto isso, não sinto aquilo, para mim não foi desse jeito, para mim não funcionou assim." São falas que me passam mudas por causa de meus ouvidos displicentes para o novo dos novos. "O nariz para mim é apenas um gatilho, por que tenho de atuar, fico bem apenas desse jeito, daquele outro, etc." Esqueço assim que eles estão começando uma peregrinação sem meus pés. 

O que posso fazer? Continuar no meu caminho, suponho, e assumir que passar o que sabemos para outros é narrar aventuras de lugares onde não estiveram, ouvir deles os lugares por onde não passei. Vejo agora como meu ofício de caronte sempre foi mais tentar fazê-los chegar até mim, e o quanto eles pularam da barca no meio do caminho para mergulhar no fundo do rio de si.