segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Sobre o meu primeiro curso de Clown - Dia 1

Tatuagens, piercings, alargadores, calças de pano, dreads e cabelos coloridos.
Não que eu não seja habituado a tudo isso. Mas confesso que a primeira impressão que eu tive, quando cheguei no teatro e vi as pessoas que fariam o curso junto comigo, me senti um estudante de matemática almoçando no RU do Benfica.
Um dos meus colegas tinha, na mochila, GARRAFAS DE MALABARES! Garrafas de malabares e era oito horas da manhã!!! Quem tem garrafas de malabares na mochila às 8 horas da manhã????

Eu ri. Riso de nervosismo. Eu tava ansioso pra caramba um dia antes. Eu tava ansioso pra caramba no caminho. Mas quando cheguei lá e vi a galera eu ri. Riso de pânico. Mas eu tava bastante excitado também. Pernas inquietas.

8am:Teatro fechado.
8:30am. Teatro fechado.
9am: Teatro fechado.
Por deus quem diabos carregou essa chave? Tava doido pra começar logo. Doido pra conhecer melhor todo mundo. Mas, na espera, vi um rosto conhecido. Um amigo da ONG Risonhos que também ia fazer o curso. Fiquei feliz.
9:15 mais ou menos o ladrão de chave chegou. Finalmente. Abriu. Entramos.

"Provavelmente a gente vai ter que subir no palco e apresentar alguma coisa" ele disse.
Riso de pânico de novo.

Todo mundo sobe no palco (alívio). Rodinha. Todo mundo se apresenta.
"Eu sou maria e sou atriz..."
"Eu sou joão, faço parte da compania tal a tantos anos..."
"Eu sou pedro, faço Teatro..."
"Eu sou Lúcia e sou dançarina e cantora e..."

"Ér... eu sou Mayko... e eu gosto de teatro...e..."
Riso de pânico.

Mas ficou bem mais fácil do que eu pensei. Treinamos comunicação, projeção de voz, jogos em dupla e timing. Principalmente timing. O tempo era meio corrido pra tudo, principalmente por termos perdido tanto tempo se apresentando, mas a galera era muito boa. Muito boa. E eu me senti confortável bem rápido. Música tocando tempo todo. Enquanto um jogo rolava, todo mundo dançava na roda, assistindo.
Era confortável. Eu até esqueci que tava cabulando um compromisso mega sério para poder estar alí. Eu até esqueci que tava mal pra caralho no dia anterior. Foi bom.

Voltei pra casa morto de cansado. Mil ideias na cabeça. Mil vontades de fazer as coisas com o Y. Mil vontades de falar pra todo mundo como era engraçado seguir as instruções difíceis de entender do Peruano com nome engraçado. Mil vontades de contar pra todo mundo as coisas que eu já tinha aprendido e...

Dormi a tarde toda.

Mayko - Caju

3 comentários:

Allan Denizard disse...

Mil vontades e... Dormi a tarde todA! Tu sabe que eu acredito que quando dormimos temos uma vida paralela, cheia de novos poderes e sensibilidades. Ao final do sonho, estamos cheios de mil vontades e... Acordamos o resto do dia! Dessas mil vontades da arte acorda o Y na faculdade de medicina. Valeu, Mayko!

George Henrique disse...

Pensei que só eu tinha dormido de tarde uhahuahuahuuha

Isabelle Meneses disse...

Alan!!!! Vocês no curso de teatro por aí e eu entrando na sociedade de circo aqui!
"Tatuagens, piercings, alargadores, calças de pano, dreads e cabelos coloridos"... como pode ser tão parecido?
Garrafa de malabares? Exatamente, meu primeiro contato. E eu pensando em como conciliar tempo e equilíbrio nos "compromissos" da vida.
Mil ideias na cabeça. Pelo menos um pouquinho de juggling (malabarismo) estou a aprender.
Beijos saudosos, Belle.